terça-feira, 28 de junho de 2011

Relato Brevet 600 - Maicon

Creio que só agora posso relatar as experiências vivenciadas na temporada 2011 (AUDAX 200, 300, 400 e 600). Particularmente sempre o mais exigente é o que fica registrado em nossa memória, porém devido a característica desafiadora de cada prova, o AUDAX consagra-se como um equilíbrio entre mente e corpo em cada um dos participantes sejam ciclistas inscritos ou ciclistas organizadores.
Em primeiro lugar a equipe organizadora tem um magnífico mérito desde a seleção da rota e escolha dos locais dos PCs até os voluntários que nobremente desempenham seus papéis de fiscalização e apoio aos participantes. Como qualquer situação cotidiana os desafiantes organizam-se em grupos (pelotões) para que possam ajudar-se mutuamente. Para mim, que não conhecia ninguém, chamei um amigo, Luiz Fernando, para pedalar o primeiro AUDAX da temporada 2011, que foi realizado no Rio de Janeiro, em 14 de novembro de 2010. Já nesta prova, todos foram "testados" pela chuva e vento que se apresentaram ao longo de toda orla da barra da Tijuca até o término da prova. Basicamente conheci os organizadores e um novo mundo surgia no meu horizonte esportivo.
A medida que fomos cumprindo as etapas, novos laços de amizade e solidariedade eram "trançados" e a teia do ciclismo de longa distância formava-se. Era incrível como objetivos considerados impossíveis (200, 300, 400 e quem diria 600 km) tornavam-se realidade diante de todos nós (imagino que para quem pratica o ciclismo há tempos isto não seja uma novidade, mas para quem aprende a andar de bicicleta e assim o faz para ir a padaria ou no máximo ver o "movimento" no calçadão da praia é quase um milagre). E porque não dizer que a maior motivação de cada um dos envolvidos no evento é o milagre que se realiza de diversas formas. Para alguns é chegar em primeiro lugar (apesar de não existir classificação na prova e sim conquista de um brevet, é da natureza humana a competição). Para outros é fomentar o desenvolvimento do esporte e, para todos, pedalar tais distâncias configura-se como uma superação, ao menos pessoalmente.
Mas AUDAX transcende tudo isso e acrescenta mais, surpreendendo cada participante e "contaminando" quem o faz, sejam atletas ou voluntários. Para o atleta a visão dos "PCs" são como oásis na aridez das estradas e isso pode ser comprovado nos diversos relatos parabenizando os organizadores, sendo este mais um. Por outro ângulo, os envolvidos na organização veêm no semblante de cada ciclista a materialização de algo difícil, mas não impossível. E finalmente equacionando as diversas variáveis controláveis (organização) entra em cena o tempero final, o imponderável, não controlável, condição meteorológica. Esta receita é sucesso certo e a prova esta aí diante dos nossos olhos.
Parabéns a todos!
Maicon Gonçalves Lisboa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor escreva seu nome ao inserir comentário.