terça-feira, 23 de novembro de 2010

Relato Brevet 200 - Rafael Dias

Segue abaixo relato do Rafael Dias que brevetou o Urbano 200 km e uma semana depois brevetou o 600 km de São Paulo, uma verdadeira pedreira em que apenas 7 dos 16 participantes conluíram. Mais informações desse Brevet 600 em breve aqui no blog Audax Rio.
--------------------------------------------------------------
Olá pessoas!

No último domingo participei de uma etapa do Audax Rio :www.rio.audax.org.br. 
A prova era basicamente simples: sair do Shopping Tijuca às 6:00, pedalar 200km pela cidade do Rio de Janeiro e retornar ao Shopping até às 19:00. 

Botei pilha no meu irmão para irmos. Como ele é um recém desempregado acabou topando. Aparentemente ele está curtindo uma mini-férias.  
A minha motivação era para validar com qual bicicleta tentarei fazer o audax 600 no próximo dia 20/11. Como a Sophia está na UTI tenho que optar por uma das outras bicicletas que tenho. 

Durante a semana fui atrás de comprar as lanternas, o pisca e o colete para o meu irmão. Também estava querendo ver um bagageiro de canote para testar mas resolvi ir sem para sentir como seria o comportamento do meu corpo... Péssima idéia. Estou com dores no ombro até hoje. 

A passagem estava comprada para sexta feira à noite. 
O meu irmão resolveu levar a bike dele para a bicicletaria para dar os últimos retoques e, como ele não tem muita experiência, o mecânico aprontou uma traquinagem : trocou a pastilha da roda traseira e deixou ela encostando no na roda. O meu irmão só percebeu quando chegou em casa e não sabia como arrumar... Me ligou  e me comprometi a ir para casa para ajudá-lo. 

Da casa da minha mãe para o trabalho são 75km. Não estava muito animado para ir até a casa da minha mãe ajudá-lo e depois retornar para São Paulo, mas é o que deveria ser feito. Após um dia intenso de trabalho peguei a bicicleta e rumei para a casa da minha mãe. Cheguei lá, passei as coisas para ele colocar na bicicleta e ajustei a sapata do freio. 

Saímos de Mogi das Cruzes às 20:00 rumo à itaquera (pois não é permitido bicicletas no trem durante a semana. Já no Metro, pode). Chegamos em Itaquera às 22:00 e pegamos o metrô em direção ao Tietê. 

Chegamos na rodoviária, comemos um lanche e rumamos para a plataforma. 
Lá amarramos as bicicletas no bagageiro do ônibus. Como ele era alto (Expresso Brasileiro - recomendo) as bicicletas foram em pé. 
O ônibus saiu às 00:30 do sábado. Chegamos no Rio de Janeiro às 6:30. 

O tempo estava bom, pelo menos para nós. Gostamos de tempo nublado e chuvoso. 
Não sabíamos para onde ir porque eu simplesmente esqueci de pegar as indicações de hotéis no blog do Audax Rio. Pedalamos, inicialmente em direção ao "centro". Chegamos na praça Mauá e entramos em uma espelunca... Acabei olhando o quarto e me fez lembrar muito os "hotéis" da Boca do Lixo na Luz, ou seja, não recomendado. 
Saímos correndo, pegamos a Getúlio Vargas acabamos parando na Rua do Matoso. Lá encontramos um "hotel" baratinho e achamos por bem ficar lá... Já devidamente hospedados saímos para almoçar e depois ir para a reunião técnica. 

Tivemos a péssima idéia de comer uma rabada... Eita comida "leve". 

A reunião técnica foi meio conturbada. Eu já havia participado de algumas (é o meu quinto audax) mas o meu irmão achou uma zona (sei lá. Ele queria prestar atenção no que o organizador falava mas ele não conseguia ouvir devido ao barulho). Achei normal. Todos queriam tirar dúvidas, comentavam com os vizinhos e assim seguia a reunião. No final pegamos o kit e rumamos para casa. 

Antes de chegar no hotel jantamos e ficamos assistindo ao jogo do Atlético-MG... Passamos no mercado e compramos algumas coisas para o café da manhã. 

No hotel estudamos o mapa e fiquei com certeza de que teríamos que seguir em alguém que saiba o caminho. Tinha certeza de que iria nos perder. 

Acordamos às 4:00 do domingo, tomamos café da manhã e arrumamos as mochilas. Deixamos algumas coisas na recepção do hotel para buscarmos após o Audax.

Saímos em direção ao Shopping Tijuca. Conseguimos nos perder e tivemos que correr para chegar lá cedo. Feito a vistoria, conversamos com algumas pessoas e esperamos a largada. 

O meu irmão estava meio apreensivo, pois não parava de roer a unha. Eu estava com vontade de "obrar" devido a rabada do dia anterior. 

Dado a largada seguimos no meio do bloco até que o carro de apoio nos deixou. 
A partir deste momento continuamos seguindo a massa. 
Festival de diferentes bicicletas, pessoas e atitudes. Dava até vontade de gritar "menos carros, mais bicicletas" quando passávamos pelos pontos de ônibus, pelos semáforos com os carros parados... Posso dizer que gritei algumas vezes. 

Logo estávamos subindo a floresta da Tijuca. Pelo aclive me fez lembrar muito a SP-033, subindo pela serra da Cantareira. Porém esta era a única comparação possível. Logo na entrada da floresta da Tijuca me deparei com alguns micos gritando... sem contar os inúmeros pés-de-jaca que me convidavam a parar e comer (confesso que sou louco por jaca). Após alguns quilometros parei para apreciar a vista da baía de Guanabara e alguns momentos depois pude ver o Cristo Redentor em meio às nuvens. 
Eu e meu irmão estávamos pedalando na cola de um rapaz que estava com uma bicicleta Full. Só me lembro que ele trouxe o americano Erick. 

No meio da Tijuca paramos no PC1, alimentamo-nos e hidratamos. Aí eu notei que havia deixado de comprar barra de cereal e alguma coisa salgada. 
Continuamos o pedal. 
Logo estávamos passando pela Vista Chinesa (caramba, que lugar legal) e saindo da Floresta. No meio do percurso encontrávamos, aqui e alí, um participante do Desafio do Imperador. Legal essa integração da cidade com a natureza. Falta muito disso aqui em São Paulo.

Depois da vista chinesa entrei em um estado de contemplação que não me lembro mais de nada... 

Talvez a partir daqui o relato fique meio confuso. 

Assim que saímos da Floresta da Tijuca passamos em frente ao Jardim Botânico. Continuávamos na cola dos dois ciclistas...

Na estrada do Joá tive que parar para comer. Aí seguimos sozinhos.

Achei legal a estradinha... Logo estávamos na beira da praia. 


Só me lembro de passar pela praia na ida (que não sei mais qual é - vantagens de se pedalar na cola de outro ciclista), passar em uma ciclovia cheia de gente (e me dando um medo de atropelar alguém), parar em quiosques para comer amendoim, pedalar mais um pouco, pegar uma ciclovia de Tijolinhos (tijovia) e parar no PC3. Lá estava o Eduardo, feliz para dedéu. 

Comemos e saímos junto com um pessoal rumo ao PC4. Pedalamos pela Av das Américas e logo chegamos no PC4.

Daqui em diante, não me lembro dos lugares... 

Só do vento contra na volta da Estrada do Pontal, da coxinha que comi em um quiosque, da alegria ao chegar nos PCs 7 e 8 e a passagem pelo centro, Lapa e arredores. 

Na volta, olhando a paisagem, quase atropelei um pedestre na ciclovia. 

Fora isso, tudo bem. 

Chegamos no shopping faltando uma hora para acabar o tempo. Foi muito legal... 
Um bom treino para o 600km, tanto para mim quanto para a minha bicicleta. 

Fotos? Não tenho... Levei a câmera para passear.

3 comentários:

  1. QUEREMOS MEDALHAS !

    ResponderExcluir
  2. Isso sem contar que na semana seguinte o Rafa brevetou os 600km em Holambra :)

    ResponderExcluir
  3. tijovia foi a definição perfeita.
    Eu moro ali naquela área e todos os dias xingo que construiu aquilo. É bonitinho, mas não serve nem pra ciclista, nem para skatista, patinador, pra quase ninguém.
    Vcs todos que vieram de outros estados me animaram a levar uma galera carioca para se aventurar em outras bandas.
    Sendo assim, a gente se vê no próximo audax!

    ResponderExcluir

Por favor escreva seu nome ao inserir comentário.