terça-feira, 23 de novembro de 2010

Relato Brevet 200 - Lúcio Pereira Lima

Meu nome é Lúcio, moro em Curitiba e estou trabalhando no Rio desde o inicio do ano.
Quando fiquei sabendo que teria aqui uma prova do Audax fiquei excitado, já havia feito duas provas destas com sucesso, uma em Curitiba em 2007 e outra em Florianópolis no ano passado.
Ao mesmo tempo que excitado fiquei apreensivo com a subida do Sumaré pois só ando de speed e subidas não são o meu forte.
Depois de diversos emails sobre a subida com a direção da prova, um domingo antes resolvi subir o Sumaré, fui pedalando desde perto do autódromo, onde moro, passando pelo Joá, que já foi um ótimo aperitivo. Demorei duas horas pra subir do inicio da Rua Alice até o cume da Sumaré, foram muitas paradas até chegar lá.  Por muitas vezes pensei o que estava fazendo ali com uma speed mas fazer o que né, era tarde. Depois de muitas contas e cálculos, resolvi fazer a inscrição, já na ultima semana e fosse o que Deus quisesse. Prá minha surpresa, o PC1 mudou para o topo do morro, não teria aquela descida pra melhorar o tempo, mas tudo bem resolvi tentar já que já tinha feito a inscrição.
Acordei às 4:00, moro longe e não queria chegar atrasado. Coloquei o carro num estacionamento e cheguei com tempo de sobra .
Fiquei um pouco apreensivo no inicio da prova pois queria dar uma acelerada no inicio pra me sobrar tempo pro “Sumaré”. Cheguei no inicio da Rua Alice às 6:52hs, faltando  1:52hs para fechar o PC, segui firme e só parei de pedalar depois de um longo trecho da subida da Estrada do Sumaré. Ao contrario do domingo anterior, ao invés de parar, eu tirei a sapatilha e comecei a andar, e percebi que andava a uma velocidade de 5 km/h, o que me levaria ao topo no tempo previsto. Assim aconteceu, mesclando trechos de pedal e trechos andando, cheguei ao PC1 por volta de 8:30, pouco tempo antes do fechamento do mesmo. Passei pelo PC2 tranqüilo, apesar de ter sofrido um pouco ainda na subida da vista chinesa.
Depois de passar por mais um suplicio, a subida do Joá, alcancei a Barra, e quando entrei na av. da Praia tinha um cara perdido, me perguntou se estava no caminho certo  e eu disse que era pra seguir em frente, ele era de Niteroi e não conhecia direito o trajeto da barra, o que eu conhecia de Cabeça (ou pelo menos pensava que sabia).
No PC3, fiz uma besteira, tomei dois copos de Guaracamp e demorei até o PC5 para melhorar da dor enorme de estomago que me deu, não foi fácil o trecho da Av. Das Americas contra o vento e com aquela dor de estomago incomodando.
No PC6, já com tempo de sobra, estava tranquilo e confirmei que o próximo PC seria na Passarela de São Conrado e não perdi tempo, segui em frente. Ainda junto com o meu Novo amigo de Niteroi, o Levy, seguimos revezando por aquele vento contra terrível, trecho que não foi fácil de vencer. Chegando no final da ciclovia, perto do quebra mar, descemos para a Rua  uns 20 ou 30 metros antes, viramos à esquerda, passamos por baixo do viaduto e seguimos rumo ao Joá. Nesta hora, logo que passamos por baixo do viaduto, o Levy assobiou e disse  “ei, não tem mais um PC aqui?”. Eu, na minha “Sabedoria”, disse que não, que o próximo seria em São Conrado, inclusive confirmado no PC6 falei pra ele. Já no inicio da subida do Joá, ainda incomodado, o Levy me disse, “é, acho que é isso mesmo”, e seguimos em frente. Subi o Joá todo a pé, pois tinha sofrido por varias vezes de cãibra nas coxas e não quis forçar.
Quando chegamos na passarela, veio a Surpresa, a fiscal que lá estava me perguntou porque não havia passado pelo PC7, foi uma tristeza enorme, ainda mais pelo Levy que apesar de ter que saber dos PCs, foi levado por mim a cometer o erro.
Segui a prova muito chateado, sem conversar, só parando próximo ao local do PC2, pois não sabia direito o caminho, e foi quando chegou uma galera, que disse que sabia o caminho e então foi só segui-los, apesar das confusões da chegada devido ao fechamento de alguma das ruas.
Depois de muitos emails brigando pelo meu brevet me conformei, a palavra “obrigatoriamente” estava bem clara no regulamento, “os participantes deverão OBRIGATORIAMENTE  passar pelos Postos de Controle para carimbar os passaportes.
Ficou a grande lição de se verificar no mapa e rota a posição de todos os PCs e também a grande satisfação de percorrer 209km (segundo o meu velocímetro) em uma prova ciclística.
Agradeço a todos pela oportunidade e pelas amizades que fiz neste dia.
Lúcio Pereira Lima

2 comentários:

  1. Me lembro de voce descalco subindo Sumare. Fiquei feliz em saber que completou mesmo com o furo do PC.
    Parabens, independente de qualquer coisa!
    Abs.

    ResponderExcluir
  2. Lucio,

    A homologação é importante, passar pelos PCs tbm e faz parte! Mas o mais legal, é que vc compreendeu que para tudo temos regras e que pedalou todo trajeto!! Muito provalvemente conheceu novas pessoas, talvez ruas e avenidas que vc nunca tinha pedalado e assim por diante... Outros 200 virão e aí com certeza vc não cometerá o mesmo erro!!

    abraços, ninki

    ResponderExcluir

Por favor escreva seu nome ao inserir comentário.