terça-feira, 5 de janeiro de 2010

O Audax como ele é.




É bom esclarecer que o Audax é um dos maiores desafios ciclísticos do mundo, não importando a distância de cada Brevet. Pedalar 200 km não é passeio de domingo. É coisa séria, muito séria. Principalmente se o ciclista quiser terminar a prova bem, ou seja, sem dores, desidratação e cansaço extremo, daquele que te derruba.

O Audax urbano do Rio de Janeiro é um dos, senão o mais difícil Brevet de 200 km do Brasil. É que pedalar 200 km na estrada com subidas, vento e sol forte é uma coisa, mas enfrentar as mesmas condições dentro de um metrópole é deveras mais desafiador. Além das já importantes dificuldades apresentadas acima junta-se uma que não se encontra na estrada: a navegação. O Audax urbano demanda dos atletas muita atenção na planilha do percurso a ser seguido. Errar o caminho penaliza o atleta com perda de tempo e aumento de distância.
Entendam que pra um atleta minimanente preparado é até fácil pedalar 200 km. Basta ir pro sempre plano Aterro do Flamengo e ficar dando voltas ali no asfalto liso até fechar a distância, ou ficar em casa pedalando no rolo com sombra e água fresca à vontade. Audax não se resume à quilometragem. É a quilometragem mais as condições ambientais. O que faz o Audax ser este desafio é que os atletas aceitam a proposta de fazer esta distância, no dia, percurso e horário determinados pela organização, e sob as regras estabelecidas e acordadas por todos no ato da inscrição.

Neste ano os atletas ainda terão um alívio inédito nas duas edições anteriores. Devidamente autorizada pela administração pública, teremos o suporte de um efetivo da Polícia Militar. Mas não se iludam! Faz parte do desafio da prova a realidade sócio-ambiental do local, que cria o risco de investidas contra o patrimônio dos atletas. Pra quem acha o Audax urbano 2010 perigoso, mesmo com esse adicional do apoio da PM, vale lembrar que pedalar 200 km pelas estradas federais, com longos trechos absolutamente desertos e sem o menor apoio do já pequeno efetivo da Polícia Rodoviária é até mais perigoso. Mas lá na estrada isso faz parte do desafio.

O Audax é acima de tudo uma prova de aventura e não há aventura sem riscos e perigos. Obviamente que organizadores, poder público e atletas podem e devem se unir para amenizar estes riscos, mas jamais será possível eliminá-los. Da escolha do percurso, às autorizações, passando pelas regras específicas e PCs da prova tudo foi pensado para que a segurança venha em primeiro lugar.

A recomendação aos atletas é que se informem ao máximo sobre as regras, o percurso e as recomendações de segurança da prova aqui no blog e pelo e-mail audax.riodejaneiro@gmail.com. Porém, não basta se informar, o atleta precisa acreditar nas informações, não importa o quão experiente seja ou se julgue. Numa aventura com riscos não cabe ignorar qualquer ajuda ou recomendação. Por último é bom lembrar que como em qualquer evento de aventura os atletas estarão cobertos por um seguro para invalidez ou morte. Também assinarão um termo de responsabilidade padrão em que assumem os riscos por participarem dessa prova.

Em 2008 e 2009 muitos ciclistas audaciosos e aventureiros completaram esse imenso desafio nas ruas da cidade maravilhosa e descobriram o que todo grande aventureiro que se preza já sabe: as grandes conquistas não vêm de forma fácil ou simples, apenas com o equipamento e sem treinamento e planejamento, mas aos corajosos que encaram o desafio é reservada uma alta dose de satisfação pessoal que só as maiores aventuras podem proporcionar.

E aí? Vai encarar?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor escreva seu nome ao inserir comentário.