domingo, 3 de fevereiro de 2008

História do Trajeto V - Centro (Av. 1º de Março)

Av. 1º de março fechada ao trânsito durante o Pan. À direita o Paço Imperial. Foto do autor.

Logo que o Audax chegar ao Centro do Rio os ciclistas pegarão a Av. Presidente Antônio Carlos e na sequência ela se transforma na Av. 1º de março, cuja história está iniciada abaixo.

---------------------------------------------------

O primitivo Caminho de Manuel de Brito, berço histórico da cidade, que ligava o Largo da Misericórdia ao Morro de São Bento, em data indefinida foi dividido em duas partes: a primeira que ficou sendo a Rua da Misericórdia ainda hoje existente e a segunda a Rua Direita, que ligava o Morro do Castelo ao Morro de São Bento. A Rua Direita, no início do século XVII era apenas uma trilha precária, mas era o local preferido dos mercadores de escravos, no século XVIII, tornou-se uma das ruas mais movimentadas da cidade. Nela se instalaram os primeiros Governadores da cidade, numa casa que ficava na esquina com a Rua da Alfândega. Teve também o primeiro Palácio Episcopal, onde residiu o primeiro Bispo do Rio, D. José de Barros e Alarcão, em 1682. Mais tarde os Governadores passaram a instalar-se na casa que antes era a Casa dos Contos, designação colonial do tesouro, onde depois veio a ser o Paço dos Vice-Reis e o Paço Imperial com a chegada da Família Real de Portugal ao Brasil. Em torno desta rua se desenvolveram as principais ruas da cidade. Posteriormente, nela se abrigaram o Banco do Brasil, os Correios, as Lojas da Moda, as confeitarias, já no século XIX. Em 1875 ela passou a chamar-se Rua Primeiro de Março, em homenagem à data da vitória de Aquidabã, em março de 1870, que acarretou o fim da Guerra do Paraguai, coincidentemente o mesmo dia da Fundação da Cidade, 1º de Março de 1565.. Na Rua Direita surgiu, em 1835, a grande sensação da época, um sorveteria. Foi a primeira rua a ser dotada de numeração nas casas, idéia do arquiteto francês Pedro Alexandre Cavroé. Devido à grande intensidade de tráfego, em 1847, adotou-se nela o sistema de mão e contra-mão. Segundo Ferreira da Rosa: " foi na Rua Direita que o Rio de Janeiro viu traçadas as primeiras linhas da sua grandeza; aí se soletrou a história fortunosa do desenvolvimento desta metrópole". Durante quase três séculos foi em torno da rua Direita, que giraram os grandes acontecimentos políticos da cidade. Só no início do século XX é que a área viu ser transferido o eixo principal da Metrópole para a nova Avenida Central, eixo monumental da nascente República.

Fonte do texto, mais fotos e informações sobre a Av. 1º de Março: Marcillio

Fotos da Av. 1º de março

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor escreva seu nome ao inserir comentário.