sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Com ou sem trânsito

Pôr-do-sol visto do Arpoador/Ipanema. Muitos audaciosos terão esta imagem na retaguarda quando estiverem chegando ao final do Audax 200. Foto do autor

Já foi dito em algum lugar que o Audax está mais pra Cicloturismo do que para uma competição ciclística e concordamos com esta afirmação em gênero, número e grau.
Porém, o cicloturismo é uma atividade praticada predominantemente em estradas, tal qual as provas de Audax.
Daí surge esta organização inventando de montar um trajeto urbano, todo ele feito dentro da cidade do Rio de Janeiro. É bem verdade que há estradas dentro da Cidade Maravilhosa e passaremos por algumas delas, que por sinal são do tipo secundária, as preferidas dos Audax.
Tudo muito legal, inovador, mas estamos recebendo muitas mensagens de pessoas preocupadas com a segurança, tanto física quanto patrimonial durante o Audax Rio. Alguns perguntam se teremos ruas fechadas ao trânsito. Segue abaixo cópia de uma resposta enviada a uma destas importantes mensagens.

"Já solicitamos apoio da prefeitura do Rio, estamos aguardando a resposta, mas acredito que será inviável conseguir vias exclusivas para os ciclistas visto que após alguns quilômetros o pelotão vai estar muito disperso. Vamos solicitar sinalização indicativa da presença de ciclistas nas ruas mais críticas, mas nada confirmado ainda.
A questão da insegurança é relativa. Veja bem, nas estradas há proporcionalmente menos bicicletas transitando nos acostamentos do que nas ruas do Rio onde a bicicleta é bem comum na maioria das ruas que serão usadas, ou seja, os motoristas já estão acostumados a ver bicicletas. Outro fator favorável à pedalar na cidade em relação às estradas é a velocidade relativa. Nas ruas que passaremos a velocidade dos carros é de no máximo 60 - 70 km/h enquanto que nas estradas os carros passam a 100 - 120 km/h e não estão esperando bicicletas nos acostamentos.
A questão das seguranças é igualmente relativa. É um erro comum achar que a região no entorno das favelas é perigosa ao patrimônio ou à integridade física. Roubos, assaltos e outros típos de violência ocorrem muito mais nas áreas nobres da cidade, onde há pessoas circulando com dinheiro e bens valiosos. Pessoalmente me sinto mais seguro, em relação ao meu patrimônio quando passo na frente das favelas do que quando estou na Vieira Souto, que tem o metro quadrado mais caro da cidade.
Quanto às ações policiais que resultam em tiroteios elas não ocorrem em finais de semana, salvo situações atípicas. Os bandidos também evitam invadir o morro alheio numa guerra pelo controle do tráfico nos finais de semana pois há maior concentração de moradores.
Esperamos que todos entendam que o Rio de Janeiro não é como a TV mostra ou como os relatos de assaltos o descrevem. A TV não mostra e as pessoas não falam dos momentos de tranquilidade e de senso de civilidade que são muito mais comuns do que os de violência. Várias pessoas vieram ao Rio com esse pré-conceito na cabeça e mudaram de opinião nas primeiras horas.
O Audax no Rio será um sucesso mais pelo que a cidade é e como ela integra a bicicleta do que pelo nosso grande empenho em fazer uma prova bem organizada. Quem deixar estas meias verdades sobre a segurança do Rio influenciarem uma decisão vai desperdiçar uma oportunidade ímpar de conhecer e usufruir do que o Rio tem de melhor, no veículo mais adequado para percorrê-lo: a bicicleta."

Por favor, quem tiver dúvidas, sugestões ou comentários sobre o Audax e o Desafio mande para nós. A melhor parte da organziação é construir uma prova em conjunto para que ela seja a melhor possível.
Abraços
Eduardo

5 comentários:

  1. Em grande parte do trajeto teremos ciclovia. Fora isso Paineiras, subida da Vista Chinesa, sao vias de pouco movimento.

    Anos pedalando pelo Rio, nunca tive qualquer problema com assalto e como o Eduardo disse, sao belas as paisagens visitadas a bordo de um bicicleta.

    A prova disso é meu fotolog.

    www.fotolog.terra.com.br/stradero

    Lá poderão ver algumas paisagens que aguardam os audaciosos.

    ResponderExcluir
  2. Massa. Eu tinha questionado isso do trajeto também.

    No que tange às ciclovias e avenidas fechadas ao trânsito? Algumas são fechadas no fds, certo?

    Acho que uma grande dúvida vai ser como manter pelotões nessas áreas, visto as restrições de espaço e do próprio uso quotidiano de ciclovias na cidade. Quem fez um Audax estradeiro, como eu (de MTB) tá achando estranho... Na subida/descida da floresta do trecho inicial eu sei que o movimento é tranquilo. O que mais me intriga mesmo é o uso da estrutura para bicicleta como transporte, no meio de uma prova ciclistica. O Audax é uma prova de superação de distâncias e resistência. Mas ao mesmo tempo há aqueles que inserem um novo item: a vonatde de superar a prórpaia capacidade em terminar a distância mais cedo...

    Em Curitiba ano passado eu tentei fazer rápido, foi bom, mas extenuante. Numa atividade do grupo aqui em MG, montamos um trajeto pela Fernão Dias. Eu resolvi cicloturistar e foi tão bom quanto em Curitiba, pois enquanto eu ia na minha, tinha uma turminha boa que foi revezando vácuo para chegar mais rápido, e adoraram também.

    No RJ pretendo fazer em 11h, mas acho que o visual vai me obrigar a fazer em 13h hehehe

    Abraços.

    Ah, a galera cá de BH tá animadaça!

    Vinicius
    http://viniciusmz.multiply.com
    www.mountainbikebh.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá Vinicíus!
    A prova será num sábado e nesse dia da semana não há vias fechadas ao trânsito. Mesmo que houvessem, o trânsito de bicicletas é restrito às ciclovias, já que nas vias fechadas o objetivo é lazer e fica mais lento e perigoso passar por elas de bicicleta.
    Ciente de que os atletas terão diferentes motivações e velocidades durante a prova vamos definir antecipadamente quando o uso de ciclovias é obrigatório e quando ele não será recomendado. Estas regras visam garantir a segurança de atletas e população, bem como permitir que cada um imprima seu próprio ritmo sem ficar preocupado com o que não deve.
    Ficamos felizes que opessoal de BH esteja animado e estamos procurando uma hospedagem BBB (boa, bonita e barata) para os 'estrangeiros'.
    Abraço
    Edu

    ResponderExcluir
  4. Vai ser muito legal pedalar com a "galera de fora" aqui no Rio. Estou ansioso para ver a cidade invadida por ciclistas.

    Quanto ao trânsito, creio que se conseguirmos que a prefeitura distribua placas alertando para a presença de ciclistas não teremos problemas. Acho que o trecho crítico será a estrada dos bandeirantes, que não tem acostamento. fora isso, tranquilo.

    Abç!
    Sejam bem vindos a Cidade Maravilhosa

    Daniel

    ResponderExcluir
  5. Uma questão importante a salientar - principalmente para os nossos muito bem-vindos visitantes - é a questão da segurança pessoal e dos transeuntes nos trechos de ciclovia na orla. O fato é que muitos pedestres não dão a mínima para ciclovia e a atravessam como se estivessem no calçadão. Também há usuários de bike que não têm uma consciência adequada e param no meio da pista ou mesmo pedalam sem respeitar o sentido de trânsito. Cuidado em especial com crianças!

    ResponderExcluir

Por favor escreva seu nome ao inserir comentário.